Desculpe-me por tentar educar.

Por que será que está cada vez mais difícil enxergar o óbvio?
Peguei as meninas na escolinha e fomos almoçar fora. Antes passamos no banco e o almoço atrasou um pouco, coisa de dez minutos, mas tempo suficiente para que uma criança de três anos com sono e com fome chegasse no restaurante aos prantos, dando aula sobre fazer birra.
Colocamos as duas sentadas, peguei comida e enquanto uma comia toda feliz a outra continuava com a choradeira (antes que vcs imaginem uma criança aos berros se jogando no chão, esclareço que era apenas um choro chato de criança de mal humor).
Eu continuei comendo, acompanhando o almoço de uma e oferecendo comida à outra que fingia não me ouvir. Uma mulher em outra mesa começou a olhar para mim e para a chorona com olhar de reprovação, olhava e fazia comentários com o filho adolescente que não respondia.
Conto isso pra responder a pergunta do início do texto. Não é óbvio que estou educando minha filha? Que eu poderia fazer chantagem para que ela parasse de chorar e comesse, mas isso me faria uma constante refém de birras? Que criança testa e que compete ao adulto estabelecer as regras de convivência? Para mim tudo isso está muito claro, mas infelizmente a grande maioria dos pais prefere mostrar em público uma criança fofa e comportada mesmo que esse comportamento tenha sido conquistado a base de troca e que consequentemente não vá durar muito.
Educar vai muito além de acabar com uma choradeira pra não passar vergonha diante dos outros.
Por isso tenham compaixão quando encontrarem um pai ou uma mãe se esforçando pra deixar um filho melhor pra esse mundo. Criança fazendo birra é feio sim, mas adulto que acredita que assim consegue tudo é pior ainda, então prefiro corrigir minhas filhas enquanto é tempo. No mais, como diria minha vó, os incomodados que se retirem.
Em tempo: Depois de alguns minutos, a chorona se deu por vencida, comeu comida, tomou suco, curtiu a sobremesa e saiu de lá alimentada, feliz e tenho fé, um pouco mais educada 😂

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *